Como a pandemia está afetando a trajetória da criança e do adolescente?  Quais são os efeitos, os riscos, e as circunstâncias que estes veem enfrentando?

Como a pandemia está afetando a trajetória da criança e do adolescente? Quais são os efeitos, os riscos, e as circunstâncias que estes veem enfrentando?

2 de julho de 2021

A pandemia COVID-19 repercutiu/continua repercutindo em diversas facetas da sociedade, como: saúde, política, economia, entre outros; mas é fato que, esta avassaladoramente contribuiu para o aumento das desigualdades e das vulnerabilidades, principalmente em grupos específicos – como retrataremos neste texto – crianças e adolescentes.

As medidas necessárias para o controle desta pandemia têm um impacto desastroso na vida de crianças e adolescentes, particularmente, entre as famílias mais pobres. De acordo com uma pesquisa publicada pela UNICEF (órgão das Nações Unidas que tem como objetivo a promoção dos direitos e do bem-estar das crianças e adolescentes), os rendimentos familiares de mais da metade da população brasileira (55%) diminuíram. Consequentemente, os gastos com despesas como alimentação, habitação e saúde, foram/são reduzidos, e, esta falta de bens básicos para a sobrevivência oprime o desenvolvimento da população infanto-juvenil.

Outra esfera que impacta, no curto e no longo prazo, este grupo é a educação! O respectivo fechamento das escolas acomete negativamente o direito à educação de milhares de crianças e adolescentes pobres, bem como, o direito à saúde mental e física, mas como?  Primeiramente, diversas crianças e adolescentes não possuem acesso à internet, e nem mesmo algum aparelho eletrônico, como celulares e computadores para acessarem as aulas remotas. Além disso, algumas pesquisas apontam que existem crianças e adolescentes que não receberam/recebem atividades escolares para serem realizadas. Ou seja, o desenvolvimento educacional é interrompido, reproduzindo um ciclo vicioso da pobreza, uma vez que, sem educação, surgem privações de oportunidades de emprego, aumentam as informalidades e contribui para as desigualdades.

Ainda na dimensão da educação, a privação de frequentar as escolas infere na segurança alimentar, assim como, na saúde física e mental. É possível afirmar que, diversas crianças e adolescentes possuem as merendas escolares como a única fonte de alimentação saudável, de acordo com o IPEA (2020), uma parcela significativa sofreram/sofrem de fome na ausência da merenda escolar, acometendo a saúde física e no bem-estar, colaborando para problemas psíquicos como depressão e ansiedade. Neste sentido, ao reconhecermos a proporção dos impactos no desprovimento destes direitos básicos das crianças e adolescentes, como condições básicas de sobrevivência, educação e saúde, torna-se necessário uma postura proativa de combate à pandemia e de luta à preservação das dignidades deste grupo!!!

Os impactos desta crise sanitária não param por aí! O isolamento social contribuiu para elevação da violência ou abuso sexual, da violência física, psicológica, moral, e o abandono e negligencia de cuidados de meninas e meninos, uma vez que, famílias afogadas em problemas econômicos, desemprego, uso de álcool, drogas, e, partilhando um ambiente por um longo período de tempo potencializam os conflitos domésticos tornando crianças e adolescentes vulneráveis.

Além disso, crianças e adolescentes neste período tiveram vínculos familiares rompidos, ou estão em risco de separação, direcionando-as às instituições de acolhimento; e, a situação pode ser ainda pior, dado que, estas unidades responsáveis pelo acolhimento, neste contexto pandêmico, são sujeitas a interrupção de suas atividades sociais, bem como podem expor meninas e meninos à um maior risco de contraírem a COVID-19.

A crise da pandemia COVID-19, infelizmente, desencadeou um retrocesso em relação aos avanços angariados por muitos anos no bem-estar, na educação, na saúde, e, na provisão dos direitos das crianças e adolescentes. O engajamento dos Estados em salvar suas economias, e, seus sistemas de saúde dispensa a atenção nos cuidados dos mais vulneráveis, deixando a proteção à vida, à saúde, à educação das crianças e adolescentes para segundo plano, marginalizando os debates a este respeito. Até quando vamos consentir com isso? As políticas públicas direcionadas a este público precisam ser preservadas e resilientes frente este período, a fim de que se garanta o mínimo de assistência, proteção e dignidade na vida das meninas e meninos!

Por Talita Bozon Penteado
Direitos autorais cedido ao CRAMI Piracicaba.

Mais Artigos
PROFISSIONAIS DO CRAM REALIZAM PALESTRA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER

PROFISSIONAIS DO CRAM REALIZAM PALESTRA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER

No dia 15 deste mês, as técnicas do CRAM, Mayara Bueno, Assistente Social e Júlia Sanches, Psicóloga,  realizaram  palestra no CAOF... Leia Mais
31 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

31 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

Hoje, dia 13 de julho, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 31 anos! É um dia de... Leia Mais
Cartilha dos Serviços de prevenção, atendimento e proteção às mulheres no Município de Piracicaba

Cartilha dos Serviços de prevenção, atendimento e proteção às mulheres no Município de Piracicaba

A cartilha apresenta o compilado dos serviços de prevenção, atendimento e proteção às mulheres em Piracicaba foi finalizada e divulgada... Leia Mais